Ajustes pós-eleição serão fundamentais para rating do Brasil, diz Fitch

A estratégia do próximo governo do Brasil para incentivar o crescimento e enfrentar alguns desequilíbrios macroeconômicos como a inflação elevada e os altos déficits fiscal e de conta corrente será fundamental para a trajetória do rating soberano do país, informou nesta quinta-feira a agência de classificação de risco Fitch em comunicado.

REUTERS

16 de outubro de 2014 | 12h08

"O próximo governo herdará uma economia que enfrenta múltiplos desafios em termos de baixo crescimento, inflação elevada e performance fiscal em deterioração. Portanto, ajustes de política serão fundamentais para determinar a trajetória futura dos ratings soberanos do Brasil e de sua perspectiva", disse a diretora sênior de ratings soberanos da Fitch, Shelly Shetty, de acordo com o documento.

Segundo a agência, persistentes revisões para baixo em relação ao crescimento combinadas à incerteza eleitoral e à erosão da credibilidade da política econômica do governo levaram à queda da confiança das empresas e do consumidor, o que, por sua vez, exacerbou a atual desaceleração.

Para a Fitch, a fraqueza dos investimentos destaca os desafios que o país está enfrentando para atingir um modelo de crescimento liderado por investimentos, que classificou como "necessário dadas as restrições a aumentos da renda salarial e do crédito". Nesse contexto, a agência afirma que reformas estruturais se tornaram mais importantes.

(Por Bruno Federowski)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROBRASILFITCH*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.