AL deve crescer 3% em 2014, aponta BID

O cenário de crescimento econômico para os países da América Latina e Caribe não deve fugir muito dos níveis próximos de seus potenciais, segundo relatório do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), publicado durante a reunião anual da instituição, na Costa do Sauipe (BA). De acordo com o estudo, o avanço da região deve ficar em torno de 3% em 2014, com um "ligeiro" aumento nos anos seguintes.

FERNANDO TRAVAGLINI, COSTA DO SAUIPE/, ENVIADO ESPECIAL, O Estado de S.Paulo

31 de março de 2014 | 02h04

Segundo o documento, intitulado "A recuperação global e a normalização monetária - como evitar uma crônica anunciada?", há fatores, tanto positivos como negativos, que poderão afetar essas projeções.

De um lado, a recuperação dos EUA poderá ser mais vigorosa do que o previsto. O risco negativo dos EUA está no fato de que "os dados mais sólidos sobre a economia real poderão ativar uma redução mais rápida do que o previsto nas compras de ativos pelo Federal Reserve, além de aumentos mais rápidos do que o previsto nas taxas de juros a curto prazo", diz o texto.

A China também pode contribuir dos dois lados da equação. As taxas de crescimento estão em queda e permanece o receio de que possa diminuir ainda mais a expansão da atividade nos próximos anos.

Outro ponto preocupante é o aumento na emissão de títulos em moeda estrangeira, por instituições tanto financeiras como não financeiras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.