Aladi prevê fluxo comercial recorde na América Latina

Os principais mercados da América Latina podem registrar em 2004 um recorde nos fluxos comerciais entre suas economias. Segundo estimativas da Associação Latino-Americana de Integração (Aladi), as importações e exportações de bens entre os doze países que formam parte do bloco podem chegar a US$ 49 bilhões. O valor ultrapassaria a marca dos US$ 46 bilhões registrada em 1997 e, desde então, jamais obtida pelas economias latino-americanas. A Aladi é formada por Brasil, Argentina, Uruguai, México, Bolívia, Argentina, Chile, Peru, Colômbia, Venezuela, Equador e Cuba. Segundo a entidade, o comércio entre esses países deve atingir uma marca recorde diante dos dados preliminares do fluxo de bens na região nos primeiros meses do ano. Entre janeiro e abril, as importações entre os países do continente aumentaram em 21,5% em relação ao mesmo período de 2003, somando US$ 16 bilhões e US$ 3 bilhões a mais em comércio que no ano passado.Outra base do estudo da Aladi é a previsão de crescimento das economias da região. Segundo a Comissão Econômica para a América Latina (Cepal), o bloco apresentará um aumento de seu PIB de 4,1%. Segundo a Aladi, essa será a primeira vez desde meados dos anos 90 que o crescimento não ficará concentrado apenas em alguns mercados. Um dos motivos mais fortes que estão levando a Aladi a fazer previsões tão otimistas é o retorno da Argentina ao comércio regional. Depois de uma crise sem precedentes, Buenos Aires volta a comprar de seus parceiros, revigorando o comércio do Mercosul. Apenas nos primeiros quatro meses do ano, os argentinos aumentaram em 40% suas importações de outros mercados latino-americanos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.