Rebecca Blackwell / AP
Rebecca Blackwell / AP

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Alberto Fernández dá passo atrás em pacote emergencial

Para conseguir aprovação, presidente argentino tira do texto artigo que permitia uma reforma administrativa sem consultar Legislativo

Luciana Dyniewicz, O Estado de S.Paulo

19 de dezembro de 2019 | 04h00

Após ameaça da oposição de que não daria quórum para a votação na Câmara dos Deputados do projeto de lei de emergência econômica, o governo argentino de Alberto Fernández decidiu retirar o ponto mais sensível do texto. O artigo eliminado permitia que o Executivo fizesse uma reforma administrativa sem consultar o Legislativo e interviesse em 60 órgãos, como os entes reguladores de eletricidade e gás. Na noite de ontem, o governo admitia também a possibilidade de flexibilizar o aumento do imposto sobre exportações de produtos agrícolas. 

Apesar de várias questões ainda não estarem fechadas, a expectativa é que o projeto seja aprovado ainda hoje na Câmara. A vice-presidente Cristina Kirchner, que preside o Senado, emitiu um decreto parlamentar convocando os senadores para uma sessão amanhã, na qual se deve debater o pacote de medidas que coloca o país em situação de emergência pública “econômica, financeira, fiscal, administrativa, previdenciária, tarifária, energética, sanitária e social”.

Em apresentação na Câmara dos Deputados, o ministro do Trabalho, Claudio Moroni, confirmou ontem que o governo pretende estabelecer, por meio de decreto, um aumento de salário aos trabalhadores do setor privado – medida prevista no projeto de lei. O reajuste não deve ser universal, afirmou, e será concedido aos empregados que mais perderam seu poder aquisitivo nos últimos anos por causa da inflação. Entre 2016 e 2017, a inflação acumulada foi de quase 300%.

O pacote de medidas econômicas prevê, principalmente, aumento nos impostos, como tarifas sobre bens pessoais e alíquotas de 30% sobre compras feitas no exterior em dólares. Segundo cálculos da economista Melisa Sala, da consultoria LCG, sem alterações o programa apresentado por Fernández pode elevar a arrecadação em 2% do PIB.

A Argentina deve terminar este ano com um déficit fiscal de 0,5%. O aumento previsto na arrecadação, porém, não será suficiente para zerar o déficit, pois tarifas de serviços como energia e transporte estão congeladas pelos próximos seis meses, e governo deverá subsidiá-las. A situação fiscal do país – que foi descrita pelo ministro da Economia, Martín Guzmán, como sendo mais grave do que se imaginava – ainda dependerá, portanto, de decisões sobre o que será feito com os subsídios nos últimos seis meses do ano e com aposentadorias.

Mercado de trabalho

Instituto Nacional de Estatística e Censos informou ontem que o desemprego na Argentina chegou a 9,7% no terceiro trimestre, alta de 0,7 ponto porcentual na comparação com o mesmo período de 2018, mas queda de 0,9 ponto ante o segundo trimestre.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.