Paulo Whitaker|Reuters
Paulo Whitaker|Reuters

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Alberto Safra deixa o banco da família

Rossano Maranhão, presidente da instituição, também deixou o cargo; eles devem se dedicar à abertura de um novo negócio

Aline Bronzati, O Estado de S.Paulo

28 de outubro de 2019 | 07h54

Alberto Safra, um dos filhos do controlador do Banco Safra, Joseph, decidiu deixar a instituição. A informação foi dada no último domingo, 27, pela colunista Sonia Racy. Junto com ele, de acordo com fontes próximas à instituição, saem também o presidente do banco, Rossano Maranhão, e o vice-presidente, Eduardo Sosa. 

A saída se deu, segundo apurou o Estadão/Broadcast, pelas divergências entre Alberto, que cuidava da área de clientes corporativos do banco, e seu irmão David, responsável pela área de pessoas físicas. Essas divergências se acirraram com o lançamento da carteira digital do banco, a SafraWallet. Apesar de o projeto ter sido desenvolvido por Alberto, conforme fontes, David defendia que o negócio deveria ficar na área de varejo.

Alberto, contudo, queria que a carteira digital ficasse no negócio corporativo, uma vez que a ideia era integrar a operação à SafraPay, braço do banco que atua com maquininhas, lançado há pouco mais de dois anos. Montado do zero, o negócio vem crescendo no banco e já teria 3% de participação de mercado, ante 5% da rival PagSeguro e 6% da Stone, conforme dados de mercado, considerando o volume financeiro transacionado pelas marcas.

Apesar de as desavenças entre os irmãos serem conhecidas, a saída de Alberto, Maranhão e Sosa, anunciada na última sexta-feira, surpreendeu funcionários do banco. Enquanto Joseph ainda estava no dia a dia do banco, conforme fontes, ainda conseguia gerir os desentendimentos entre os filhos. Depois que se afastou, a convivência ficou mais difícil.

Em comunicado, o banco informou apenas que, "em comum acordo, Alberto Safra não mais faz parte de seu conselho. Seguirá fazendo parte do grupo. Sua saída se deve exclusivamente à sua intenção pessoal de dedicar-se a outro projeto com a família".

O grupo não informou que outro projeto seria esse. Mas o que a reportagem apurou é que deve se tratar da criação de um banco digital, que também será montado do zero. Maranhão e Sosa fariam parte desse projeto. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.