Alca pode ser "moeda de negociação" do Brasil com EUA

O governo brasileiro deverá se valer da Área de Livre Comércio das Américas (Alca) como meio para negociar com os Estados Unidos a maior flexibilização das medidas de salvaguardas, adotadas para proteger seu setor siderúrgico. Essa disposição antecipa a tendência de o Brasil adotar uma maior rigidez em questões de interesse dos Estados Unidos na Alca, com o objetivo de garantir maiores vantagens aos exportadores brasileiros de aço, que foram atingidos de forma parcial pelas medidas. Também sinaliza que o governo dificilmente levará sua queixa à Organização Mundial do Comércio (OMC). A utilização da Alca como "moeda de negociação" foi mencionada pelo ministro das Relações Exteriores, Celso Lafer, na Cidade do Panamá. Em sua avaliação, o governo americano transmitiu dois recados políticas nas entrelinhas do documento que determinou a aplicação das salvaguardas. A tradução de ambos poderia ser reunida em uma frase: "quanto mais próximos dos Estados Unidos, menos atingidos". O primeiro recado veio com a isenção dos exportadores de aço do México e do Canadá, seus parceiros na Área de Livre Comércio da América do Norte (cuja siga em inglês é Nafta). O outro, com o tratamento mais brando para os produtores da Argentina, da Venezuela e mesmo do Brasil, alguns dos principais parceiros dos Estados Unidos na Alca. Em princípio, o governo brasileiro acredita que as essas negociação, que entram em etapa decisiva neste ano, poderão conter novas investidas protecionistas dos Estados Unidos em relação ao setor siderúrgico e mesmo aliviar os prejuízos que o produtor brasileiro deverá acumular. O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Sérgio Amaral, estimou hoje que as exportações do setor para os Estados Unidos deverão recuar em 10% a 15% neste ano, em relação aos US$ 713 milhões embarcados no ano passado. A razão está justamente nas salvaguardas americanas, que deverão anular de vez os embarques de produtos acabados - como as folhas de flandres e as chapas galvanizadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.