Álcool: governo ainda não tem solução para sazonalidade

Às vésperas do pico da entressafra da cana-de-açúcar na região Centro-Sul, que ocorre no primeiro trimestre do ano, o ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, disse hoje que o governo ainda não encontrou um mecanismo que possa evitar a sazonalidade, a volatilidade de preços do álcool nas bombas dos postos de combustível. Ele disse que o governo tem discutido alternativas para evitar as oscilações de preços, mas que ainda não foi possível chegar a uma conclusão. Entre as alternativas discutidas, Stephanes citou a possibilidade de compras futuras e financiamento para manutenção de estoques.Ele admitiu, no entanto, que nada poderá ser feito para amenizar o quadro de preços na entressafra deste ano. "Não há solução no curto prazo", afirmou. A partir de janeiro, os preços do álcool nas usinas sobem devido à diminuição da oferta, que permanece reduzida até o início do esmagamento da safra de cana do Centro-Sul, a partir de maio.Na semana passada, os preços do álcool voltaram a ter pequena alta nas usinas paulistas, assim como na anterior, mostra o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq). O litro do anidro foi negociado, em média, a R$ 0,84788, alta de 0,32% na comparação com a semana anterior. Já o hidratado apresentou alta de 0,57%, de R$ 0,74991 para R$ 0,75417 o litro, em média.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.