Álcool volta a subir depois de 11 semanas de queda

Após 11 semanas em queda, o preço do álcool combustível voltou a subir no varejo, e teve alta de 0,63% no Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) de até 31 de julho. No levantamento anterior, de até 22 de julho, houve deflação de 0,59%. A informação é do economista da Fundação Getúlio Vargas (FGV) André Braz. "O preço do álcool registrou quedas sucessivas nos últimos três meses. Nos meses de maio, junho e julho, a queda acumulada no preço do produto chegou a 18,15%", afirmou. De acordo com ele, o comportamento dos preços do álcool puxou para cima os preços da gasolina, que subiram 0,31% no IPC-S de até 31 de julho, ante queda de 0,15% apurada no indicador anterior. A gasolina contém 20% de álcool em sua formação. O economista comentou que o preço do álcool está subindo devido à crescente demanda pelo produto. "Há grande procura tanto no mercado interno quanto no mercado externo", disse, considerando ainda que, no mercado interno, quanto mais cresce a frota de carros bicombustíveis no Brasil, maior a demanda do álcool se torna. "A tendência é que essa frota cresça com o passar do tempo, e com isso, cresça a necessidade de abastecimento", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.