Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

‘Temos cabeça de empresa grande e coração de startup’, diz presidente da Alelo

Cesario Nakamura explica que a Pede Pronto, que nasceu como um app de delivery da Alelo, agora pretende facilitar a vida do consumidor durante grandes eventos

Entrevista com

Cesario Nakamura, presidente da Alelo 

Fernando Scheller, O Estado de S.Paulo

09 de abril de 2022 | 05h00

A empresa de benefícios Alelo – parceria entre BB e Bradesco – vem empreendendo a diversificação de negócios para além dos “vales” há cerca de uma década. Uma das faces mais recentes deste processo, segundo Cesario Nakamura, presidente da companhia desde 2018, é a Pede Pronto. O negócio, que originalmente nasceu como um app de delivery, agora pretende facilitar a vida do consumidor durante grandes eventos.

O aplicativo quer ajudar quem vai a shows e a eventos esportivos a “furar a fila” na hora de comprar cachorro-quente, cerveja e refrigerante. Com 100 profissionais trabalhando na operação, o negócio está buscando parcerias com arenas ao redor do País. Por ora, a Pede Pronto já tem um acordo com o Allianz Parque, em São Paulo. 

Como surgiu o negócio?

Surgiu a partir de uma pequena startup que compramos, a Onyo, que tinha uma solução (tecnológica) muito boa. A gente estava testando a ferramenta de delivery e de retirada. Mas, com a pandemia, tivemos de pivotar o negócio em 2021 – e surgiu a ideia dos eventos.

Como funciona hoje a Pede Pronto dentro da Alelo?

É uma unidade de negócios, quase uma empresa dentro da empresa. Já temos cem pessoas na equipe. Fizemos parceria com o Allianz Parque e estamos conversando com outras arenas. Temos feito alguns eventos também, como o rodeio de Jaguariúna (interior de SP). Estamos crescendo mesmo com muito pouco investimento em marketing. No Allianz, temos agora um camarote.

A ideia é facilitar vida do consumidor em eventos?

Hoje, a gente está em um terço para cada atuação: delivery, take away (retirada) e eventos. É difícil dizer (qual vai ser a divisão daqui em diante). É um mercado que cresceu muito na pandemia. Agora, nossa preocupação é com o UX, a experiência do cliente. É um esforço do time: temos de ter cabeça de empresa grande, mas com coração de startup. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.