Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Alemanha não irá contrair novas dívidas em 2015, 1ª vez desde 1969

O ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schaeuble, afirmou que a Alemanha não vai contrair novas dívidas no ano que vem pela primeira vez desde 1969, destacando a robustez das finanças do país enquanto parceiros europeus pedem aos alemães que façam mais para impulsionar o crescimento da zona do euro.

ERIK KIRSCHBAUM E MICHELLE MARTIN, REUTERS

09 de setembro de 2014 | 09h00

Falando à câmara baixa do Parlamento nesta terça-feira, Schaeuble disse que orçamentos que não incluem novos empréstimos líquidos devem se tornar o novo padrão para a Alemanha a partir de 2015, e afirmou que Berlim deseja abrir as portas para mais investimentos privados, especialmente em infraestrutura.

"Precisamos de investimentos privados acima de tudo para manter o desempenho econômico e a competitividade da Alemanha e da Europa", disse ele, acrescentando que a Alemanha precisa buscar novos tipos de parcerias público-privadas.

Países da zona do euro em dificuldade, incluindo a Itália e a França, vêm pressionando a Alemanha para elevar os investimentos públicos e cortar impostos para impulsionar a recuperação econômica da zona do euro. Christine Lagarde, diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), também pediu à Alemanha para aumentar os investimentos.

Tudo o que sabemos sobre:
MACROALEMANHASEMDIVIDA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.