Alemanha quer que G-20 enfoque regulação financeira

A reunião do Grupo dos 20 países industrializados e em desenvolvimento (G-20) desta semana deveria se concentrar em como implementar regras para o mercado financeiro, e não em discussões sobre um novo sistema de governança global, defendeu o governo da Alemanha. O grupo se reúne nos dias 24 e 25, em Pittsburgh. O porta-voz do governo Ulrich Wilhelm disse hoje que a proposta do primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, de que os líderes do G-20 se concentrem em formar um novo sistema de governança é um projeto mais de longo prazo.

NATHÁLIA FERREIRA, Agencia Estado

23 de setembro de 2009 | 09h57

"A iniciativa de Londres se refere a um novo tipo de governança econômica global, que exigirá que os países atendam metas individuais de crescimento e exportação", disse Wilhelm a repórteres, considerando esse um "projeto de prazo muito longo", que o governo da Alemanha não quer que seja o foco em Pittsburgh. "Para nós, a regulação do mercado financeiro deve ser o tópico central, o tópico para se aprender uma lição da crise e uma lição sobre ter assumido riscos excessivos." Ele acrescentou que os planos de regulação financeira iniciados nos encontros do G-20 em Washington e Londres precisam ser mais implementados.

Ontem, a ministra de Finanças da França, Christine Lagarde, disse que os países do G-20 compartilham da mesma agenda, mas que a ordem de prioridades difere. Em entrevista coletiva, ela citou que os países emergentes estão menos preocupados do que os desenvolvidos com as questões da regulação financeira e mais focados na reforma do Fundo Monetário Internacional (FMI). Ao mesmo tempo, a necessidade de impulsionar o crescimento está num ponto mais alto da agenda do Reino Unido do que a reforma da supervisão financeira global, disse ela. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
G-20reuniãoAlemanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.