AFP
AFP

Alemanha recusa proposta para prorrogar dívida da Grécia

Atenas entregou nova proposta de acordo a credores da zona do euro, mas não há sinais de conciliação entre representantes dos países; nova reunião acontece na sexta-feira

O Estado de S. Paulo

19 Fevereiro 2015 | 07h34

(Atualização às 12h50)

A Alemanha rejeitou o pedido de acordo feito pela Grécia para prorrogar por seis meses um contrato de empréstimo. Porta-voz do governo alemão afirmou, em comunicado, que os termos propostos por Atenas não cumprem os pontos colocados inicialmente pelo Eurogrupo (conjunto de países credores).

"A carta de Atenas não oferece uma proposta substancial para uma solução", disse o representante do Ministério de Finanças alemão, Martin Jäger. "Na realidade, (a carta) tem como objetivo um empréstimo-ponte sem cumprir os termos do programa de resgate", avaliou.

O governo da Grécia entregou formalmente um pedido de empréstimo junto à zona do euro, disse uma autoridade do governo à Reuters nesta quinta-feira, 19. Segundo um porta-voz de Atenas, os termos da proposta de acordo do país com seus credores da zona do euro são diferentes das atuais obrigações de resgate do país. O prazo para a Grécia tomar uma decisão sobre aceitar ou não os pontos determinados em contrato anterior termina nesta sexta-feira, 20.

A Grécia e seus credores da zona do euro ainda têm trabalho a fazer para diminuir as diferenças sobre esses termos (que incluem privatizações e arrocho salarial da parte dos gregos), disseram autoridades do bloco da moeda.

O ministro de Finanças holandês, Jeroen Dijsselbloem, que conduz as reuniões dos ministros da zona do euro, disse que os dirigentes se encontrarão na sexta-feira, 20, em Bruxelas. Autoridades tinham esperança de lidar com o pedido através de uma reunião por teleconferência, por isso o fato de que vão se reunir em pessoa sugere que as diferenças entre a Grécia e os seus credores continuam a ser significativas.

A Grécia tem pouco mais de uma semana antes de seu resgate vencer no fim de fevereiro, deixando o governo sem financiamento e os seus bancos em risco de ser completamente cortados a partir das linhas de crédito do Banco Central Europeu (BCE). Um movimento para cortar o crédito a bancos gregos poderia forçar a Atenas a deixar a zona do euro.

O pedido da Grécia propõe "avançar em conjunto para uma conclusão bem sucedida das atuais disposições", disse um funcionário da zona do euro que já viu o documento. "Não é muito ruim como um começo", acrescentou. 

O pedido deixa a Grécia e seus credores "ainda um pouco afastados", disse outro funcionário da zona do euro. Autoridades seniores do bloco vão se reunir mais tarde nesta quinta-feira e discutir o pedido. (Com informações da Reuters e da Dow Jones Newswires).

Mais conteúdo sobre:
Grécia Euro Alemanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.