Alemanha resiste a adotar exigências de Basileia 3

Decisão da autoridade monetária do país sobre adoção ou não das normas de regulação financeira definidas pelo Comitê de bancos centrais ficará para setembro

Jamil Chade / GENEBRA, Andrei Netto / PARIS, O Estado de S.Paulo

28 de julho de 2010 | 00h00

O Bundesbank, o Banco Central da Alemanha, não endossou as novas normas de regulação financeira fixadas pelo Comitê de Basileia na segunda-feira. A revelação foi feita ontem pela imprensa europeia, que atribui a decisão a interesses de setores do sistema financeiro do país, que seriam atingidos pelas medidas.

Com o desacordo, a decisão sobre a adoção ou não das regras de Basileia 3 pela maior economia da União Europeia só será tomada em setembro, após nova rodada de negociações. O acordo conhecido como Basileia 3 prevê que os bancos terão de criar uma camada de capitalização para se proteger de uma eventual nova crise. Porém, para alguns bancos, a exigência pode significar uma redução das atividades.

O governo e os bancos alemães também resistem a uma maior regulação e à obrigação de apresentar seus balanços completos. Mesmo que os detalhes das restrições não tenham sido revelados, o Estado apurou que elas não se referem ao nível de exigência das normas, e sim ao conceito de capital, que prejudicaria os bancos cooperativos e caixas alemãs.

O comportamento dos setores público e privado alemão tem deixado o mercado apreensivo. Há poucos meses, Berlim liderava os apelos por maior transparência e maior regulação. Hoje, dá sinais contraditórios e se mostra incomodada com as exigências de mudança no perfil de seus negócios.

Diante do resultado do teste de estresse de 91 bancos europeus, o mercado reagiu de forma positiva nos últimos dias. O euro atingiu sua máxima em quase dois meses ontem e as ações nas bolsas europeias subiram ontem pelo sexto dia consecutivo.

Mas, ao divulgar o resultado do teste de estresse na sexta-feira, os bancos alemães evitaram indicar qual seria sua exposição sobre a dívida grega. No início da semana, a pressão do mercado e dos reguladores europeus surtiu efeito e os bancos tiveram de abrir seus livros para não continuar perdendo nas bolsas.

O Hypo Real State acabou revelando que tem uma exposição sobre a dívida grega de 7,9 bilhões, e o Commerzbank de 2,9 bilhões. Os alemães LBBW, Postbank, WGZ e Landesbank Berlim também estão expostos e evitavam revelar seus números. Juntos, os bancos alemães são os mais expostos à Grécia, num total de 15 bilhões.

Berlim rejeita a tese de que esteja evitando uma regulação global mais dura sobre o setor financeiro. O comitê que fechou o acordo na segunda-feira ainda fará mudanças antes que o texto seja levado à cúpula do G-20, em dezembro. O lobby do setor financeiro deve trabalhar de forma incansável para amenizar as leis. "Temos dúvidas sobre a decisão do Comitê da Basileia", disse a porta-voz do BC alemão, Madleen Petschmann.

O problema para a Alemanha, segundo Berlim, é de que o acordo foi desenhado para grandes bancos, e não para bancos regionais e de tamanhos médio e pequeno, que são a coluna vertebral da economia alemã. "As regras devem variar de acordo com os níveis de risco", afirmou Wolfgang Gerke, presidente do Centro Financeiro da Bavária.

A recusa provisória da Alemanha a Basileia 3, entretanto, não causa problemas em sua implantação no resto do mundo. Isso ocorre porque as normas do Comitê de Basileia têm caráter de recomendações e podem ou não ser adotadas pelos bancos centrais. As 27 autoridades monetárias representadas na reunião de segunda-feira - entre elas a do Brasil - se comprometeram a adotar a nova regulamentação.

RAZÃO PARA...

A Alemanha não assinar o acordo Basileia 3

1. O governo rejeita aplicar a seus bancos regionais as mesmas regras que UE e EUA aplicarão. A ideia dos alemães é de que bancos que operam como cooperativas, caixas de poupança e com um nível de apetite ao risco muito inferior aos bancos globais não podem ser submetidos às mesmas exigências.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.