Hannibal Hanschke/Reuters - 14/3/2018
Hannibal Hanschke/Reuters - 14/3/2018

Alemanha tem queda recorde de 10,1% no PIB do 2º trimestre e acentua recessão

Resultado é reflexo das medidas de isolamento adotadas para conter a pandemia de covid-19 e é o pior desde que o indicador da atividade econômica começou a ser medido no país, em 1970

Sergio Caldas, O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2020 | 10h18

O Produto Interno Bruto (PIB) da Alemanha sofreu um tombo de 10,1% no segundo trimestre de 2020 ante os três meses anteriores, refletindo as medidas de confinamento tomadas no período em função da pandemia de covid-19, que derrubaram os gastos das famílias, os investimento empresariais e as exportações.

Segundo dados preliminares com ajustes sazonais publicados nesta quinta-feira, 30, pela Destatis, a agência de estatísticas do país, a queda é a maior já registrada desde que o indicador começou a ser medido, em 1970. Analistas consultados pelo The Wall Street Journal previam redução menor do PIB alemão, de 9%.

“Agora é oficial, é a recessão do século”, disse o economista do DekaBank Andreas Scheuerle. “O que até agora foi impossível de conseguir com as quebras dos mercados acionários ou os choques do preço do petróleo foi alcançado por uma minúscula criatura chamada corona.”

Em relação a igual período de 2019, o PIB da maior economia europeia teve contração de 11,7% entre abril e junho. Nesse caso, a projeção do mercado era de recuo de 11,1%.

A Destatis também revisou o PIB alemão do primeiro trimestre de 2020 ante o quarto trimestre de 2019, de retração de 2,2% para baixa de 2%.

O último resultado aprofunda a recessão da Alemanha, cuja economia vem se contraindo desde o último trimestre do ano passado. / COM REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.