STAFF | REUTERS
STAFF | REUTERS

Alemanha vende títulos com juros negativos

A maior economia da zona do euro é a primeira a fazer esse tipo de operação; rendimento médio dos papéis negociados foi de -0,05%

O Estado de S.Paulo

14 Julho 2016 | 08h21

FRANKFURT - A Alemanha se tornou ontem o primeiro país da zona do euro a vender título da dívida de 10 anos com rendimento abaixo de zero, refletindo a busca do investidor por ativos seguros em meio a temores de que o crescimento da zona do euro será mais lento do que se imaginava após a decisão do Reino Unido de sair da União Europeia.

A Agência de Finanças da Alemanha vendeu ¤ 4,038 bilhões (US$ 4,47 bilhões) em títulos da dívida com vencimento em agosto de 2026, disse o Bundesbank (o banco central da Alemanha). O rendimento médio ficou em -0,05%, marcando a primeira rentabilidade negativa em um leilão de dívida de 10 anos conduzido por um país da zona do euro.

A demanda, no entanto, foi fraca, com ¤ 4,783 bilhões em propostas, dos ¤ 5 bilhões que a Agência de Finanças ofereceu, deixando o leilão “tecnicamente descoberto,” um fenômeno relativamente frequente em vendas de dívida alemã.

Sintomas graves. A queda livre dos rendimentos de títulos do governo, com grandes porções da dívida alemã sendo negociada agora com juros negativos, “são sintomas de graves problemas estruturais com a economia global”, disse Daniel Loughney, gerente de carteira da AllinceBernstein. “É evidente que isso representa uma situação grave para os investidores, uma vez que investir em instrumento com rendimento negativo é impossível justificar uma perspectiva de compra e manutenção.”

Segundo ele, haverá oferta líquida negativa na Alemanha de cerca de ¤ 90 bilhões até o fim de 2016, e Loughney espera que os investidores continuem a comprar títulos de longo prazo em busca de rendimentos.

Mercado. Na Europa, ontem, os principais índices acionários fecharam em queda, em dia marcado por oscilações nos mercados após a preocupação com a situação dos bancos italianos voltar a pesar. Os investidores também ficaram no aguardo da posse da nova primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, e na expectativa de que o Banco da Inglaterra anuncie corte de juros em sua reunião de política monetária hoje.

Com esse cenário, o FTSE Mib, de Milão, foi o que mais sofreu, fechando em queda de 1,15%. Em Londres, o FTSE 100 caiu 0,15% e o DAX, de Frankfurt, caiu 0,33%. / DOW JONES NEWSWIRES

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.