Alencar critica juros bancários

O vice-presidente da República, José Alencar, voltou a criticar o regime de juros no Brasil. Ele observou que o problema não é só a taxa básica de juros, a Selic, e sim o regime global de juros controlado pelo sistema financeiro. "Aqui no Brasil as empresas brasileiras não podem crescer com a ajuda do sistema financeiro", disse, acrescentando que "nunca houve maior transferência de renda em benefício do sistema financeiro como no Brasil, não só no nosso governo, como já há alguns anos", disse.Como exemplo, ele observou que, se um empresário vai a um banco pedir financiamento, é cobrado uma taxa de juros de, em média, de 2,5% ao mês, o que seria uma taxa de 35% ao ano. "O cidadão acaba transferindo todo o seu esforço para o sistema financeiro", disse. Ele reiterou a necessidade de se encontrar maneiras de se reduzir o custo do capital no Brasil para o empresariado.Críticas e preocupaçõesEle criticou, ainda, a política cambial no primeiro governo de Fernando Henrique Cardoso (1995-1998) que, em sua avaliação, prejudicou em muito a rentabilidade das exportações brasileiras, visto que a cotação do dólar valia em torno de R$ 1,00. Alencar externou ainda a sua preocupação com os problemas de infra-estrutura no Brasil que impedem o desenvolvimento das exportações. "A infra-estrutura e a logística são coisas muito importantes para o Brasil", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.