Alencar diz que não se surpreendeu com queda do PIB

O presidente em exercício e ministro da Defesa, José Alencar, disse hoje, em entrevista, que já esperava pela queda do Produto Interno Bruto (PIB). "Para mim não é surpresa. O que está errado, e tenho falado muito sobre isso, é que o custo do capital no País (pressionado pelo juro alto) é muito alto", afirmou ao deixar o Ministério da Defesa. Ele evitou citar os ministros da área econômica. Alencar observou que houve melhoras sociais no País nos últimos anos, defendeu a área social do governo, especialmente o ministro do Desenvolvimento Social, Patrus Ananias, mas voltou a reclamar da falta de recursos para os serviços essenciais e infra-estrutura. O ministro, que pela manhã participou de um seminário sobre Amazônia, no Ministério da Defesa, cobrou maior atenção do governo para a região. "Eu digo para vocês: tenho 74 anos, mas ainda tenho força para puxar o gatilho de uma garrucha e ir para a fronteira defender o Brasil", afirmou Alencar, ao comentar os interesses de países estrangeiros pela selva amazônica. Segundo Alencar há recursos para desenvolver a Amazônia, mas eles são "desviados" para o custo da rolagem da dívida. Alencar reclama que é censurado O presidente em exercício reclamou na manhã de hoje que sempre é censurado por repetir que a taxa de juros está alta e é a responsável pela falta de recursos para os serviços essenciais do País. Em discurso para militares no auditório do Ministério da Defesa, num seminário sobre a Amazônia, ele disse que, no passado, mesmo sem recursos, os governos construíram fortalezas, a capital, Brasília, rodovias, a Vale do Rio Doce e a Petrobrás. "Precisamos entender que hoje o Brasil tem mais recursos que naquele tempo", afirmou.

Agencia Estado,

30 Novembro 2005 | 15h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.