Alencar diz que queda de 0,8% no PIB é uma vitória

Vice-presidente diz "não estar triste" com recessão e garante que País estaria em situação superior sem a crise

Tânia Monteiro, da Agência Estado

10 de junho de 2009 | 15h34

O vice-presidente José Alencar disse nesta quarta-feira, 10, ao sair da cerimônia de comemoração do 144º Aniversário da Batalha Naval do Riachuelo, que "não está triste" com o resultado do PIB no primeiro trimestre, que registrou queda de 0,8% em relação ao último trimestre de 2008.

 

"Eu não estou triste porque o Brasil está em situação excepcional em relação aos outros países. Prova disso é que perdeu 0,8% do PIB. Foi uma vitória tendo em vista a força da crise internacional. E nós não temos nada com esta crise", argumentou.

 

Para Alencar, o resultado "foi uma vitória" porque o Brasil "é uma vítima" da crise. "O Brasil está conseguindo sair dela (da crise) em condições muito superiores a outros países, por causa das medidas que têm tomado para combatê-la", afirmou. O vice-presidente ressaltou ainda que o Brasil estaria em condições muito superiores, se não fosse a crise. "O País é vitima desta crise, mas está realizando um trabalho admirável para que saia dela em condições boas e vai isso acontecer."

 

Alencar não quis falar sobre expectativas e projeções para a decisão que o Comitê de Política Monetária (Copom) tomará em reunião realizada nesta quarta-feira. Ele voltou a criticar as altas taxas de juros vigente no país. "As taxas de juros do Brasil têm de ser compatíveis com as praticadas nos outros países", disse ele, sem especificar para qual patamar espera que o Banco Central defina a taxa básica de juros, a Selic.

 

"A decisão sobre baixar juros é do Copom. É uma decisão técnica. Quando falo em juros, é no sentido filosófico", disse. "Não podemos, de forma alguma, continuar convivendo com taxas de juros dessa magnitude, está errado. O Brasil é um país tão bom ou melhor que os outros e as taxas de juros devem ser compatíveis", explicou. Segundo o vice-presidente, "o Brasil tem de ser intransigente em relação a isso (chegar a taxas de juros compatíveis com as praticadas no resto do mundo)."

 

Diante da insistência dos jornalistas para que apresentasse um prognóstico em relação às taxas de juros, Alencar se irritou. "Eu não participo do Copom e estou falando do ponto de vista filosófico", respondeu.

Tudo o que sabemos sobre:
CopomPIBJosé Alencar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.