Alencar não consegue reverter embargo russo à carne brasileira

O governo russo manteve o embargo à importação da carne brasileira, após receber nesta terça-feira a visita do vice-presidente brasileiro, José Alencar, que lidera uma visita comercial ao país. O primeiro-ministro russo, Mikhail Fradkov, argumentou que é preciso mais tempo para tomar uma decisão em relação à reivindicação do Brasil. Fradkov deu a declaração após a terceira reunião da Comissão Brasileiro-Russa de Alto Nível de Cooperação, em Moscou.A questão fitossanitária da carne é o ponto de maior divergência. As autoridades russas vetaram a compra da carne depois da confirmação de um caso de febre aftosa no Amazonas, região que não é exportadora. O vice-presidente, que co-presidiu a reunião, disse que o governo não forçou uma decisão dos russos e voltou a destacar que as empresas precisam conhecer o processo brasileiro. "Esse problema não existe no Brasil e, por isso, estamos tranqüilos", destacou Alencar.O governo entregou aos russos um relatório com mais de 300 páginas com informações sobre os métodos sanitários adotados na produção. Durante o encontro com Alencar, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, confirmou que visitará o Brasil ainda este ano. "Estou me preparando para viajar ao Brasil", disse Putin, em entrevista à agência russa Interfax.O vice-presidente disse que o primeiro-ministro russo, Mikhail Fradkov, recebeu "de forma positiva" a proposta dos brasileiros para que a Rússia crie um sistema de tarifas em substituição às cotas de importação determinadas para os países na Organização Mundial do Comércio (OMC). Para o Brasil, o sistema de tarifas vai permitir competir por mais espaço no mercado russo, já que as cotas privilegiam os norte-americanos e europeus. Nesta quarta-feira, o vice-presidente estará em São Petersburgo, onde terá encontro com o presidente da Câmara de Comércio e Indústria, Vladimir Katchonov, e participará da abertura do encontro empresarial Brasil-Rússia, onde são esperados mais de 50 empresários brasileiros.CartaAlencar entregou a Putin uma carta do presidente Lula e disse que o País espera muito da visita do presidente russo, que será a primeira na história dos dois países. Putin se disse a favor do desenvolvimento da cooperação militar com o Brasil e se interessou pelas impressões de Alencar após sua visita na segunda-feira à fábrica de aviões de combate Sukhoi em Moscou. Outra área de interesse dos russos é a venda de tecnologia para exploração e transporte de gás, além da construção naval. O Brasil deve participar deste intercâmbio em áreas que já detém alta tecnologia, como a automação do sistema bancário e governo eletrônico. Putin afirmou que o Brasil é sócio comercial mais importante da Rússia na América Latina e que o intercâmbio entre os dois países passa de US$ 2 bilhões de dólares, "embora o saldo negativo russo continue crescendo". Alencar disse que para o potencial dos dois países, US$ 2 bilhões é um valor baixo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.