Alencar pede para brasileiro não comprar a prazo no Natal

O vice-presidente José Alencar recomendou hoje que os brasileiros não comprem a prazo neste Natal para não transferir renda para os bancos. "Eu gostaria de dizer o contrário: comprem, comprem, comprem. Mas tem que haver um consumo com capacidade para evitar que haja uma transferência da renda para o sistema financeiro", disse num seminário em Belo Horizonte. Ele sugeriu que somente no caso de um gasto essencial a compra seja feita a prazo.Segundo ele, a sociedade pode colaborar para a "libertação" do atual sistema de juros "resistindo" em comprar a prazo. "Uma pessoa que vai a um banco e paga 8% ao mês não sabe em que está se metendo", alertou. Ele ainda fez uma alusão ao slogan de uma fabricante de cerveja para reforçar seu pedido. "Tem até um comercial que diz: ´Experimenta, experimenta, experimenta´ Vamos experimentar dizer contra, vamos falar contra esses juros". Alencar pediu aos empresários que invistam com recursos próprios e evitem empréstimos em bancos. "Vamos procurar crescer os nossos negócios apenas com os recursos próprios, porque se nós comprarmos matéria-prima à prazo, vamos transferir o nosso capital para o sistema financeiro, como tem acontecido no Brasil", disse.O vice-presidente afirmou ainda que o Brasil deveria imitar o crescimento chinês, baseado, segundo ele, numa política de juros baixos e numa taxa de câmbio "adequada". "Hoje, a China tem praticamente US$ 350 bilhões de reserva graças também a esse câmbio", disse. Ele defendeu um câmbio "mais correto" para aumentar a capacidade de competição das empresas brasileiras, mas evitou falar em valores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.