Alencar repete: taxa de juros é altíssima e isso está errado

O vice-presidente da República, José Alencar, voltou a criticar as taxas de juros do Brasil, que, segundo ele, não remuneram adequadamente o capital. Alencar encerrou no final da manhã desta sexta-feira o seminário "Financiamento Latino-Americano e o Papel dos Bancos de Desenvolvimento", na programação que antecede a Assembléia Geral de Governadores do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).Em seu discurso de encerramento, o vice-presidente disse que os custos de capital no Brasil são entrave ao desenvolvimento. Segundo ele, a taxa básica real brasileira é cerca de oito vezes maior do que a média das taxas básicas de 40 países, e que, dentre estes, alguns possuem Banco Central independente e têm instrumentos de política monetária.Para Alencar, a primeira coisa que o empreendedor tem que saber é se o capital investido será remunerado em condições de cobrir as despesas.Um dos palestrantes do seminário foi o novo presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Demian Fiocca, que relatou o volume de recursos disponíveis para empréstimos no banco. Segundo Alencar, as empresas brasileiras não estão aproveitando essa capacidade de alavancagem, ainda que a taxa de juros, aplicada nos financiamentos do BNDES, a TJLP, esteja abaixo da taxa básica. A TJLP está em 9% ao ano, enquanto a Selic, a taxa básica de juros da economia, está em 16,5% ao ano.O vice-presidente enfatizou que, enquanto as taxas de juros vigentes no mercado nacional não puderem cair a um patamar civilizado, os empresários não terão condição de remunerar adequadamente a mão-de-obra e nem oferecer oportunidades de trabalho compatíveis com o potencial do País. "Esta é a razão porque os investimentos estão aquém das potencialidades brasileiras."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.