Alencar: 'Tudo vai bem, apesar da política monetária'

O vice-presidente da República, José Alencar, voltou à carga hoje contra a política monetária do governo federal, durante o encontro estadual do PRB, realizado na Assembléia Legislativa de Minas Gerais. "Tudo vai bem apesar da política monetária e não graças a ela", afirmou Alencar. Ontem, a ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que elevou o juro básico em 0,50 ponto porcentual na semana passada, destacou que o aquecimento e a deterioração das expectativas de inflação aumentaram o risco para o comportamento do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).Alencar reafirmou que a taxa média de juros hoje no mundo é inferior a 1% ao ano e a taxa média real do Brasil, descontada a inflação, de 7%. "O juro é instrumento de política monetária, só que o Brasil é o país do subconsumo, você não pode achatar o consumo de quem não consome", enfatizou.Depois, em entrevista coletiva à imprensa, o vice-presidente considerou que o país gastou, na rubrica relativa a juros do Orçamento, o equivalente a R$ 600 bilhões em juros nos primeiros quatro anos do primeiro mandato do presidente Lula. "Agora é mais do que isso, no segundo mandato devemos gastar perto de R$ 700 bilhões". Alencar ressaltou que o total de recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) que serão gastos nos próximos quatro anos chega a R$ 504 bilhões. "Parece que estamos fazendo um pacto com o diabo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.