Rodrigo Abd/AP
Rodrigo Abd/AP

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Alerta para risco financeiro é reforçado em Davos

Para presidente do BC britânico, dinheiro farto e juros muito baixos têm levado à forte valorização dos ativos

Rolf Kuntz, enviado especial, O Estado de S.Paulo

26 de janeiro de 2018 | 22h42

DAVOS – A nova ameaça à economia mundial pode estar no mercado financeiro. A advertência tem sido feita por economistas do Fundo Monetário Internacional (FMI) e foi repetida, ontem, pelo presidente do Banco da Inglaterra, Mark Carney.

Os preços dos ativos estão muito altos, graças a operações estimuladas por dinheiro abundante e juros muito baixos, e o mercado fará o ajuste em algum momento. Falta saber como será o impacto no setor bancário, observou Carney. Sua avaliação, por enquanto, indica certo otimismo: as grandes instituições estão capitalizadas em grau suficiente para absorver o efeito de uma forte correção das cotações dos ativos.

++Trump defende reforma do comércio global

O presidente do Banco da Inglaterra foi um dos participantes, nesta sexta-feira, 26, do painel sobre perspectivas globais da economia, um dos eventos tradicionais do Fórum Econômico Mundial em Davos.

O bom panorama de curto prazo divulgado há poucos dias pelo FMI foi tomado, em geral, como referência para a conversa. De acordo com o Fundo, a economia global deve crescer 3,9% neste ano e repetir esse desempenho em 2019. Christine Lagarde, diretora-gerente da instituição, integrou o painel e chamou atenção para a necessidade de mais comércio, de mercados abertos e de políticas de aumento da produtividade e do potencial de crescimento. Também acentuou a importância de ações para combater a pobreza, assim como a desigualdade. A distribuição desigual da renda e da riqueza agravou-se em vários países como um dos efeitos da globalização.

++Bolsa brasileira registra alta de 5,31% na semana

Otimismo. O presidente do Banco do Japão, Haruhiko Kuroda, participante habitual do painel, mostrou-se esperançoso de levar a inflação japonesa, em breve, à meta de 2% ao ano. Há alguns anos Kuroda se dedica a explicar, em Davos, porque falhou em produzir a inflação desejada. Mas tem poucos motivos de queixa. A economia japonesa está crescendo em ritmo próximo de 2%, bem acima do potencial, o desemprego está em 2,7% da força de trabalho. A inflação persistentemente baixa, segundo ele, deve ser atribuível a um fenômeno geral, a globalização, e a um especificamente japonês, a adaptação de empresas e famílias a preços muito contidos, depois de 15 anos de deflação.

O painel foi coordenado, como há muitos anos, pelo jornalista Martin Wolf, colunista do Financial Times, ex-economista do Banco Mundial e ex-colega de Kuroda em Oxford. A sessão ocorreu logo após o discurso de Donald Trump, no mesmo auditório. Wolf queixou-se da falta de uma banda de música, gentileza inédita proporcionada ao presidente americano.

SEU DINHEIRO Dez chances de ficar milionário que você perdeu no último ano

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.