Algodão sobe de olho em decisão da Índia

A cautela tomou conta do mercado de algodão na Bolsa de Nova York na véspera da decisão do governo da Índia a respeito das cotas de exportação da fibra na safra 2010/11. Um dos maiores exportadores mundiais, o país deve definir hoje o volume que venderá ao mercado internacional. Prevenindo-se contra uma eventual decisão desfavorável, investidores correram para comprar algodão no mercado futuro. Esse movimento elevou o contrato março a 148,94 centavos de dólar por libra-peso, alta de 2,41% no dia.

Ana Conceição, O Estado de S.Paulo

20 de janeiro de 2011 | 00h00

A decisão do governo indiano será acompanhada de perto porque há escassez do produto no mercado internacional, tanto que os preços estão em níveis recorde na bolsa. Enquanto isso, o apetite do maior consumidor de algodão no mundo segue forte. As importações da China cresceram 86% em 2010, para 2,8 milhões de toneladas.

Na Bolsa de Chicago, os preços do milho cederam das máximas de 30 meses, pressionados por realizações de lucros. O contrato para entrega em março teve baixa de 2,8%, para US$ 6,4125 por bushel. O mercado do grão acelerou a queda depois de rumores de que a China comprará da Austrália 500 mil toneladas de trigo para ração. Esperava-se que, em vez de trigo, o país adquirisse milho dos Estados Unidos como um sinal de boa vontade no momento em que o presidente chinês Hu Jintao visita seu maior parceiro comercial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.