Algumas linhas de financiamento pelo SFH

A suspensão de empréstimos para a classe média na compra da casa própria pela Caixa Econômica Federal (CEF) e as novas regras para incentivar o Sistema Financeiro Imobiliário (SFI) levaram alguns bancos a suspender suas linhas de crédito imobiliário e outros a mudar as regras de financiamento. Porém, na última semana, a CEF anunciou que poderia reabrir os empréstimos para renda acima de R$ 3.250 mensais - considerada classe média - até o final do ano no financiamento de imóveis novos ou em construção. No entanto, o banco deve encontrar, em primeiro lugar, a fonte de recursos.Alguns bancos continuam com as linhas de financiamento do Sistema Financeiro da Habitação (SFH) abertas para imóveis novos e usados com poucas alterações. O Itaú e o Unibanco são duas instituições que continuam operando com pequenas modificações em suas normas. No HSBC e no Bradesco, as regras permanecem as mesmas. Por outro lado, o Santander, o Banespa e o Citibank ainda não reabriram suas linhas de crédito. Já o BBV, desde maio com sua linha de crédito imobiliário fechada, lançou uma campanha para aumento da captação de poupança, mas sem previsão de quando a linha de financiamento será reaberta. No Banco Itaú, não houve mudança significativa, apenas o valor do financiamento. De acordo com o gerente-geral de Crédito Imobiliário do banco Itaú, João Bosco Segreti, diminuiu o porcentual máximo a ser emprestado, relativo ao valor do imóvel: de 60% para 50%. Ainda segundo ele, este porcentual também varia de acordo com o Estado e a cidade onde se localiza o bem a ser financiado. No Unibanco, as mudanças ficaram restritas à renda. O porcentual de comprometimento foi reduzido. Antes variava entre 15% e 20% e agora ficou entre 20% e 25%. Além disso, a renda mínima necessária para o financiamento passou de R$ 2 mil para R$ 2,5 mil. Regras do SFHAtualmente, o valor máximo que o imóvel financiado pode ter é de R$ 300 mil, sendo que o empréstimo fica limitado a 50% sobre o valor do imóvel. A taxa máxima de juros é de 12% ao ano, e as prestações são corrigidas pelo mesmo índice aplicado sobre os saldos das cadernetas de poupança - a Taxa Referencial (TR). O prazo máximo de financiamento é de 20 anos, no entanto os bancos costumam trabalhar com prazos mais curtos, entre 10 e 15 anos. Nesta linha, o comprador pode usar seu Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), desde que tenha vínculo de pelo menos três anos com o fundo. Porém, o SFH não permite que o interessado em obter o crédito tenha outro imóvel na mesma cidade ou nos municípios limítrofes e ainda não pode manter outro financiamento ativo em qualquer outro local do País. Veja abaixo as regras dos bancos consultados pela Agência Estado e que mantêm suas linhas de crédito imobiliário pelo SFH.Financiamento pelo SFHBancoHSBCBradescoItaúUnibancoValor mínimoR$ 15 milNão háR$ 20 milR$ 30 milPrazo máx. de financiamento180 meses120 meses120 meses180 mesesTipo de garantiaAlienaçãoFiduciáriaHipotecaHipoteca Hipoteca Comprometimento de rendaEntre 20% e 28%Até 15% da renda para financiamento a partir de R$ 26.000,00 e 10% para valor inferior Até 25% da renda bruta ou compostaEntre 15% e 20%Renda mínimaR$ 1,5 milR$ 2 milRenda em função do valor do financiamento, prazo e análise de créditoR$ 2,5 mil Financiamento máximoAté R$ 150 mil50% do menor valor: (Avaliação ou venda) Limitado a R$100 mil 50% do valor do imóvelR$ 150 mil com limite máximo de 60% da avaliação do imóvel

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.