Alguns investimentos poderão sair da conta de despesas em 2005

O governo brasileiro deve conseguir, já em 2005, retirar alguns investimentos públicos da conta de despesas, mudando assim o tratamento tradicional dado aos investimentos no cálculo do superávit primário das contas públicas. O sinal foi dado hoje pela diretora do Departamento Fiscal do Fundo Monetário Internacional (FMI), Tereza Ter-Minassian, que reuniu-se com o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, para discutir o tema. "Temos um bom entendimento e ao longo das próximas semanas vamos discutir mais em detalhes alguns investimentos específicos que vão ser tratados preferencialmente", disse Ter-Minassian. O sinal dado pela economista é uma importante vitória para o governo brasileiro, responsável pelo início das discussões sobre a matéria dentro do FMI. A idéia do governo é permitir que investimentos públicos com retorno financeiro não sejam considerados como despesas. Isso permitirá aumentar o volume de investimentos públicos sem comprometer a qualidade do esforço fiscal. Ter-Minassian deixou claro que o FMI pretende dar o aval para essa mudança somente para este tipo de investimento. "Discutimos as possibilidades de aumentar os investimentos públicos de maneira responsável fiscalmente", ponderou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.