Alheias à crise externa, empresas mantêm investimentos

Alheias à crise que ganha corpo no mercado internacional, as empresas brasileiras mantiveram os investimentos programados para este ano e apostam no crescimento do mercado interno. A Braskem, maior petroquímica da América Latina, por exemplo, confirmou que vai desembolsar R$ 1,3 bilhão em 2008 e um montante parecido em 2009. Os planos da empresa incluem a expansão da capacidade de produção de polímeros (resinas plásticas) e de PVC para enfrentar a demanda crescente das montadoras de veículos e empresas de construção civil e do agronegócio, entre outros.?Temos que nos preparar para um período de crescimento sustentado da economia brasileira, motivado, sobretudo, por fatores internos, como o aumento da renda do consumidor e do crédito, com prazos mais longos de pagamento?, diz o presidente da Braskem, José Carlos Grubisich. A demanda por resinas plásticas tem crescido na casa de dois dígitos. Em 2006 e 2007, foram 10%. Para este ano, a previsão é de 12%.A decisão de manter o pé no acelerador é valida até mesmo para empresas com fortes laços com os Estados Unidos. É o caso da Coteminas, um dos maiores grupos têxteis do País, que tem nos Estados Unidos a origem de 70% do seu faturamento total, da ordem de R$ 4 bilhões no ano passado. Nas próximas semanas, a companhia deverá aprovar o plano de investimentos para este ano, cujo montante deverá ficar próximo dos R$ 134 milhões aplicados em 2007.?Em hipótese nenhuma a crise nos Estados Unidos vai influenciar a nossa decisão de investir no País?, garante Josué Gomes da Silva, presidente da Coteminas. O executivo espera compensar em outros mercados a provável redução de vendas nos mercado norte-americano. Embora esteja convencido de que todo o mundo vai ser afetado de alguma forma pela crise americana, o empresário acredita que o Brasil tem todas as razões para estar bem. ?O mundo vive um período meio que de perplexidade, e o Brasil passa por um bom momento?, diz Gomes da Silva. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.