Alimentos e habitação pressionam inflação

Os reajustes de preços dos alimentos e tarifas elevaram a inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) para 0,80% na semana encerrada em 13 de agosto, contra 0,76% na semana anterior. Os grupos de alimentação e habitação responderam por 78% da taxa.No caso dos alimentos, houve novo aumento de preços e a variação passou de 0,74% na semana anterior para 1,06% na semana de 13 de agosto. Os destaques de alta foram hortaliças e legumes (5,03% na semana anterior para 7,39%), adoçantes (5,15% para 5,83%) e pescados frescos (-0,01% para 0,74%). Apesar da pressão de preços, a FGV ressaltou que, entre os 21 itens pesquisados nesse grupo dos alimentícios, 11 apresentaram aumentos menores, "o que indica que a onda de reajustes não está completamente disseminada" nos alimentos.Houve desaceleração em tarifa elétrica residencial (4,39% na semana anterior para 3,50% na semana de 13 de agosto) e telefone residencial (3,99% para 2,95%). Apesar das quedas no ritmo desses reajustes, a habitação contribuiu sozinha com 0,32 ponto porcentual do IPC-S da semana.Também subiram os preços dos transportes (0,73% para 0,87%); saúde e cuidados pessoais (0,32% para 0,38%) e despesas diversas (0,09% para 0,32%). Houve queda de uma semana para outra nos grupos de vestuário (-0,24% para -0,38%) e educação, leitura e recreação (0,57% para 0,56%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.