Clayton de Souza/Estadão
Clayton de Souza/Estadão

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Alimentos e lazer fazem custo de vida aumentar

Com alta dos preços da carne vermelha, índice de inflação medido pelo Dieese chega a 3% em 2019

Douglas Gavras, O Estado de S.Paulo

23 de janeiro de 2020 | 04h00

A vida ficou mais cara em 2019. No ano passado, o índice do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) que calcula o custo de vida subiu 3,09%, na comparação com 2018. Ficou pior, sobretudo, para as famílias de mais baixa renda.

Dos três grupos analisados, para os que têm menor renda, o custo de vida avançou 3,71%, enquanto que para os mais ricos, este aumento foi de 2,76%. 

A alta nos gastos com alimentação foi impulsionada por um item que deu dor de cabeça às famílias brasileiras no ano passado: as carnes subiram 20,72%. O aumento expressivo nas exportações de carne vermelha do Brasil para a China e a maior demanda do alimento nos últimos meses do ano fizeram o produto pesar mais no orçamento doméstico e também transformaram a carne em uma vilã da inflação no período.

Um outro índice, o de Preços dos Supermercados (IPS), apurado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), apontou que a carne desbancou o tomate como o grande vilão dos preços no ano passado em supermercados do Estado de São Paulo. O produto aumentou até 52%.

Segundo o Dieese, também pesaram mais nas contas de casa os grãos (com alta de 9,89%), as raízes e tubérculos (9,86%) e aves e ovos (9,16%) – que acabaram se tornando uma alternativa de proteína para quem precisou substituir a carne vermelha no cardápio da família. 

Quando considerados os custos com lazer e recreação, a alta foi de 7,09% no ano passado, puxada pela alta de custos de serviços desse segmento, que foi impactada pelo aumento de gastos com nos jogos de azar.

Na contramão do aumento do custo de vida, ficou mais barato o consumo de roupas, com queda de 3,28%, e de calçados (1,75%) e também pesaram menos no bolso das famílias itens importantes, como a compra de móveis (4,45%) e de eletrodomésticos (0,23%), ainda de acordo com o Dieese.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.