Alimentos e remédios: alta dos preços

Os preços no varejo voltaram a subir na quarta quadrissemana de julho, fechando o mês com alta de 1,91% segundo o Índice de Preços no Varejo (IPV FCESP-AE), pesquisado pela Federação do Comércio do Estado de São Paulo em parceria com a Agência Estado. A estimativa dos economistas da FCESP era de que poderia haver uma queda em relação ao índice da quadrissemana anterior ,que fechou também com 1,91% de alta. Os aumentos nos preços dos alimentos e dos remédios foram responsáveis pela manutenção do índice, já que os dois itens têm peso considerável na composição do índice. Segundo Miguel Supico, economista da FCESP, as altas nos preços dos alimentos (2,20%) e remédios (1,63%) frustraram a estimativa de uma redução no índice. Ele atribuiu a alta a fatores climáticos. Entre os produtos que mais subiram estão vários tipos de corte de carne bovina, frango, ovos, leite, café e açúcar. Os 2,20% a mais no índice quadrissemanal refletiram os aumentos na semana, que chegaram a atingir 2,77%. No ponta a ponta, bateu em 3,35%. A alta dos remédios está sendo interpretada como uma reação contrária à proposta do governo de congelar os preços até o final do ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.