Alimentos interrompem alta e IPCA-15 surpreende para baixo

O Índice Nacional de Preços aoConsumidor Amplo-15 (IPCA-15) contrariou as expectativas domercado e desacelerou ligeiramente em maio, refletindo umaqueda nas taxas de energia elétrica e a estabilização doscustos dos alimentos. O indicador subiu 0,56 por cento neste mês, seguindo a altade 0,59 por cento em abril, informou o Instituto Brasileiro deGeografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira. A mediana e a média de prognósticos de 17 analistasconsultados pela Reuters apontavam uma taxa de 0,60 por cento.As estimativas oscilaram de 0,60 a 0,63 por cento. A surpresa veio dos custos dos alimentos, que subiram emritmo ligeiramente menor, em 1,26 por cento em maio ante 1,28por cento em abril, sendo que o mercado estimava umaaceleração. Ainda assim, o grupo foi a principal pressão para o índice,sendo responsável por exatamente metade dele: 0,28 pontopercentual. As principais altos dos alimentos vieram de arroz (+11,94por cento), pão francês (5,84 por cento) e leite pasteurizado(3,48 por cento). A queda de 1,55 por cento dos preços da energia elétricatambém contribuiu para a desaceleração da inflação. No ano, o IPCA-15 acumula elevação de 2,75 por cento e nosúltimos 12 meses, de 5,25 por cento. O IPCA-15 é tido como uma prévia do IPCA, o índice queserve de referência para a meta de inflação do governo. Ametodologia de cálculo é a mesma, apurando a variação de preçospara famílias com renda de até 40 salários mínimos em 11regiões metropolitanas do país. A diferença está no período de coleta, já que o IPCA mede omês calendário. (Por Vanessa Stelzer)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.