Alimentos sobem e impactam IPCA, pão francês é destaque

Maiores custos de alimentospressionaram a inflação pelo Índice Nacional de Preços aoConsumidor Amplo (IPCA) em abril, que acelerou 0,55 por cento,exatamente em linha com o esperado. Em uma semana com vários indicadores de inflação acima doesperado, o IPCA em linha com as previsões é uma boa notíciauma vez que ele serve de referência para o sistema de metas deinflação. Apesar disso, o relatório trouxe alguns pontosnegativos. Um exemplo é a taxa em 12 meses, que ficou em 5,04 porcento, superando os 5 por cento pela primeira vez desde marçode 2006. O avanço do IPCA no mês passado compara-se com variaçãopositiva de 0,48 por cento em março, informou o InstitutoBrasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nestasexta-feira. O índice de abril marca a maior leitura desdedezembro. Os preços do grupo Alimentos subiram 1,29 por cento, acimada variação de 0,89 por cento, sendo responsáveis por 0,28ponto percentual do IPCA do mês. As principais pressões vieram do pão francês --alta de 7,33por cento e a maior contribuição individual. "Além do pão, outros derivados do trigo ficaram mais caros:farinha, pão doce, macarrão e pão de forma. Também aumentaramos preços de cebola, leite pasteurizado, óleo de soja, arroz ecarnes. No ano, o IPCA acumulou alta de 2,08 por cento. (Por Rodrigo Viga Gaier)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.