Alpargatas estuda fabricar sandálias Havaianas na China

A Alpargatas estuda fabricar sandálias Havaianas na China. A concretização do plano, segundo a consultora de comércio exterior da empresa, Ângela Hirata, está vinculada ao crescimento da demanda pelo produto naquele país. "Caso o chinês passe a comprar Havaianas, teremos que pensar em uma fábrica lá. O melhor ainda é fabricar no Brasil, mas chegará um momento em que isso será preciso", disse a executiva durante o comitê de Comércio Exterior e Logística da Amcham (Câmara Americana de Comércio) de Porto Alegre.Ângela já foi diretora de comércio exterior da São Paulo Alpargatas e uma das responsáveis pelo projeto de internacionalização da marca Havaianas. A empresa produz, em média, até 650 mil pares de Havaianas por dia. Em setembro passado, a companhia atingiu seu recorde histórico de vendas: 16,2 milhões de pares. Nos últimos nove meses, as sandálias foram responsáveis por quase 60% da receita de vendas da companhia. Hoje, o produto está presente em cinco continentes e é vendido em mais de 80 países, inclusive na China.O câmbio desfavorável não deve prejudicar a exportação das Havaianas, segundo Ângela. A estratégia para isso é posicionar a marca de modo a evitar que o produto se torne uma commodity. O ideal é estimulá-lo como um "desejo de consumo", ressaltou ela.

MILTON F. DA ROCHA FILHO, Agencia Estado

13 de novembro de 2007 | 11h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.