Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Alta da inflação dificulta ganho real da caderneta de poupança em 2014

Aplicação mais popular do Brasil também perde atratividade com a elevação do juro básico, mas continua sendo boa opção no curto prazo

O Estado de S.Paulo,

20 de abril de 2014 | 21h09

Em 2013, a captação da caderneta de poupança foi recorde: R$ 71 bilhões. Ganhou de muitos fundos de renda fixa, mesmo com o ciclo de alta dos juros básicos (taxa Selic). Neste começo de ano, no entanto, o cenário é outro: a volta da Selic aos dois dígitos e a perspectiva de inflação próxima ao teto da meta do governo, de 6,5% ao ano, parecem minar parte da atratividade da aplicação mais popular do Brasil.

De acordo com o Banco Central, de janeiro a março a diferença entre aplicações e resgates das poupanças (a chamada captação líquida) foi 49% inferior à registrada no mesmo período de 2013. Se comparada aos últimos três meses do ano passado, o tombo é ainda maior: 76%.

No atual panorama macroeconômico, o retorno da poupança tende a empatar ou até ficar abaixo da inflação. "A poupança renderá cerca de 6,5% ao ano e a inflação já está girando em torno disso", alerta o diretor da Easynvest Título Corretora, Amerson Magalhães.

Caso o cenário se mantenha, haverá perdas do poder de compra dessas aplicações. Quem investiu qualquer quantia na poupança em 1º janeiro, por exemplo, já está perdendo. "No acumulado de 2014, a caderneta rendeu 1,73% ante uma inflação de 2,17%", compara o pesquisador do Instituto Assaf, Fabiano Guasti Lima.

A regra da poupança mudou em 2012. Hoje, quando a taxa Selic está em 8,5% ao ano ou abaixo desse nível, a caderneta rende 70% do juro básico mais a variação da Taxa Referencial (TR). Acima disso - caso do atual momento - a poupança rende 0,5% ao mês ou 6,38% ao ano, fora a TR.

Em 12 meses, a Selic subiu 3,5 pontos, para 11% ao ano, o que ajuda a aumentar um pouco o rendimento da TR. Ainda não há consenso no mercado sobre a continuidade da alta do juro básico, mas, de todo modo, novas elevações não devem ter impacto significativo na TR a ponto de melhorar a situação da poupança.

A estimativa é que fundos DI com taxa de administração de até 1% já superem os rendimentos da caderneta. Pelos dados da Associação Brasileira de Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), a taxa média dos fundos referenciados DI em janeiro era de 0,73% (para qualquer cliente). Só para varejo a média era maior: 1,17%. Aplicações atreladas à inflação também vivem uma boa fase e ajudam a tirar o brilho da poupança.

Alternativas. Com preços e juros subindo, especialistas indicam produtos que ofereçam maiores possibilidades de ganho. "Com o aumento da inflação, o investidor precisa tomar bastante cuidado", diz Magalhães, da Easynvest.

Ele destaca a segurança trazida por carteiras mais diversificadas de investimento. "O ideal é fazer um mix, comparando liquidez e rentabilidade". Mas, caso os preços se mantenham em alta, a tática pode não adiantar. "Não há garantia de bater a inflação mesmo diversificando as aplicações", diz o administrador de investimentos, Fábio Colombo.

De uma forma ou de outra, entre as alternativas à poupança está o Tesouro Direto. Os títulos públicos atrelados à inflação - Notas do Tesouro Nacional Série B (NTN-B) e Série B Principal (NTN-B Principal) - atualmente pagam juro fixo a partir de 6% ao ano mais a variação do IPCA. Ou seja, o investidor fica protegido do aumento dos preços e tem um ganho real de 6% ou mais.

No Tesouro Direto, o investimento mínimo é de uma fração de 10% do valor do título inteiro. Portanto, como o papel mais barato custa pouco mais de R$ 600, a aplicação mínima é de R$ 60. Quanto à liquidez, o governo promove leilões de recompra dos papéis todas as quartas-feiras, mas o indicado é permanecer até o vencimento. É importante ressaltar também que os títulos públicos, assim como os fundos de investimento, sofrem cobrança de Imposto de Renda.

"A lista de produtos do mercado hoje é muito vasta. Devem ser observados dois pontos na escolha: o prazo que se pretende investir, para saber quanto de imposto será pago, e a taxa de administração", diz Lima.

Entre as aplicações que não possuem IR nem taxa de administração, como a poupança, há as Letras de Crédito Imobiliário (LCI) e as Letras de Crédito do Agronegócio (LCA). Nesses casos, as desvantagens são a baixa liquidez e o alto valor inicial para as aplicações (em torno de R$ 30 mil).

Pequenas economias. Apesar do cenário mais desfavorável, a poupança não deixou de ser indicada para certos casos. "Se uma pessoa tem um compromisso próximo, como uma viagem ou o pagamento de parcelas de um carro, a poupança ainda é uma boa escolha. O dinheiro rende, mas rende pouco", diz Lima.

Mais do que um investimento, a poupança é uma "proteção contra a pobreza" na compreensão do brasileiro, diz o coordenador do Centro de Estudos em Finanças da FGV/SP, William Eid Júnior. "Mesmo que perca rentabilidade, estudos comportamentais mostram que não necessariamente o brasileiro trocará a modalidade de investimento."

Para o professor de finanças do Insper, Ricardo Rocha, trata-se de uma boa porta de entrada no mercado financeiro. "A caderneta serve para iniciar o processo de acumulação de recursos com uma liquidez de curto prazo", explica. A partir de R$ 10 mil e prazos mais longos (de dois anos), já é possível migrar para fundos DI ou de renda fixa ou ainda para Tesouro Direto, defende Rocha.

Em 2013, 55,5% das aplicações da poupança eram de até R$ 100, segundo balanço do Fundo Garantidor de Crédito (FGC). Estendendo o universo para até R$ 20 mil, chega-se ao porcentual de 95% do total de investidores da caderneta. / BIANCA PINTO LIMA, GUSTAVO SANTOS FERREIRA, HUGO PASSARELLI, MARIANA CONGO e YOLANDA FORDELONE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.