Alta da previsão de inflação se deve a efeito estatístico, diz BC

A elevação para 7,16% da projeção de inflação para os próximos 12 meses, feita pelos analistas consultados pelo Banco Central em sua pesquisa semanal, não deve ser interpretada como uma deterioração das expectativas de inflação no País, segundo explicaram técnicos do BC. Segundo eles, a subida registrada na pesquisa semanal, que foi divulgada esta manhã, ocorreu simplesmente por um efeito estatístico. As projeções para o comportamento do IPCA nos próximos 12 meses vinham sendo feitas avaliando o período de junho de 2003 a maio de 2004. Com a divulgação do resultado do IPCA em junho, que registrou uma deflação de 0,15%, os analistas passaram a fazer suas estimativas considerando o período de julho de 2003 a junho de 2004. "Trocaram um mês que registrou deflação (junho de 2003) por um outro (junho de 2004) onde a expectativa é de inflação", explicou um dos técnicos do BC. "Foi um efeito puramente estatístico, e não pode ser interpretado como uma piora nas expectativas do mercado quanto ao comportamento da inflação daqui para a frente", completou. A análise é corroborada pelas demais projeções feitas pelos próprios analistas, e que também estão expressas na pesquisa divulgada esta manhã. Para o mês de julho, por exemplo, os analistas reduziram de 1,01% para 0,90% suas estimativas em relação à variação do IPCA no mês. Seguindo a mesma linha, foram reduzidas as projeções para a inflação em 2003 e 2004. Para 2003, os analistas estimam que o IPCA fechará o ano com um alta de 10,81%, e não mais 11,02% como estimado na pesquisa anterior, divulgada no dia 7 de julho. Para 2004, a expectativa do mercado é que o IPCA acumulará uma alta de 6,98% e não 7% como estimado até segunda-feira passada.

Agencia Estado,

14 Julho 2003 | 15h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.