Alta da Selic pode não agir contra inflação, diz Alckmin

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), recomendou nesta manhã que os técnicos do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) aprofundem a análise das razões que indicam um início de inflação antes de pensar em aumentar a Selic, na reunião a ser iniciada hoje e concluída amanhã. Para ele, se a análise for aprofundada, a equipe do BC notará que um aumento dos juros poderá ter efeito nulo na correção dos rumos da inflação."É preciso avaliar (o processo inflacionário) com cuidado e o Copom tem técnicos muito preparados para poder discutir essa questão, mas não vejo que o aumento da taxa de juros possa resolver essas questões que trouxeram início de preocupação inflacionária", opinou, depois de visitar a estação do Metrô Capão Redondo, onde foi iniciado na semana passada um esquema de interligação entre ônibus e metrô.Na avaliação do governador, é fundamental que os técnicos do BC observem que o início do crescimento de inflação constatado decorre do aumento de preços internacionais das commodities, de reajustes de preços administrados pelo governo - tarifas públicas, principalmente - e aumento da carga tributária, com alíquotas maiores de PIS e Cofins, que foram repassadas aos preços.Ele argumentou, portanto, que nenhuma iniciativa de aumento de juros vai interferir nas causas do aumento da inflação. "Não entendo que o início de alta de inflação seja questão de demanda tão exacerbada, até porque o mercado interno não se recuperou tanto e o que está indo melhor é a exportação", acrescentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.