Alta das vendas no Dia dos Pais deve ser a menor em 5 anos

Segundo o SPC Brasil e a CNDL, a estimativa é de incremento de apenas 1% na comparação com as vendas do ano passado, quando houve crescimento de 3,78%

Mário Braga , Agência Estado

23 de julho de 2014 | 09h31

SÃO PAULO - As vendas do comércio varejista no Dia dos Pais neste ano devem registrar a alta menos expressiva dos últimos cinco anos, segundo o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e a CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas). A estimativa das instituições é de incremento de apenas 1% na comparação com as vendas do ano passado, quando houve crescimento de 3,78% sobre o ano anterior. 

Na mesma base comparativa, as altas foram de 4,75% em 2012, de 6,86% em 2011 e de 10% em 2010. O resultado considera as vendas parceladas realizadas na semana que antecede o Dia dos Pais, entre 3 e 10 de agosto.

Em nota, o presidente da CNDL, Roque Pellizzaro Junior, afirma que o comércio varejista brasileiro registrou desaceleração das vendas a prazo em todas as datas comemorativas do primeiro semestre de 2014. "Fatores como a alta dos juros, que encarece o crédito, e a inflação elevada, que corrói o salário do consumidor, são determinantes para deixar o brasileiro mais cauteloso", explica. 

A CNDL destaca que o Dia dos Pais tradicionalmente movimenta os setores de vestuário, calçados, eletrônicos, bebidas e perfumaria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.