Daniel Teixeira/Estadão - 28/3/2020
Daniel Teixeira/Estadão - 28/3/2020

Alta de energia, gás e alimentos faz mais pobres sentirem inflação 20% maior que mais ricos

Indicador do Ipea mostrou aumento da inflação em todas as faixas de renda em setembro, mas situação foi pior para as famílias com renda mensal domiciliar abaixo de R$ 1.808 

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

15 de outubro de 2021 | 12h53

RIO - A alta no custo da energia elétrica, do gás de botijão e dos alimentos fez a inflação dos brasileiros mais pobres encerrar o mês de setembro 20% maior que a dos mais ricos, segundo dados divulgados pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

O Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda registrou uma aceleração da pressão inflacionária na passagem de agosto para setembro em todas as faixas de renda. No entanto, o aumento de custos foi maior entre as famílias mais pobres, com renda domiciliar inferior a R$ 1.808,79 mensais: a variação dos preços passou de alta de 0,91% em agosto para elevação de 1,30% em setembro. 

Entre as famílias de renda mais alta, que recebem mais de R$ 17.764,49 mensais, a inflação saiu de 0,78% em agosto para 1,09% em setembro. Entre os de renda média alta, com rendimento domiciliar mensal entre R$ 8.956,26 e R$ 17.764,49, a inflação acelerou de 0,85% para 1,04% no período.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), apurado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e usado pelo Ipea para fazer o cálculo da inflação por faixa de renda, encerrou o mês de setembro com avanço de 1,16%, ante uma elevação de 0,87% em agosto.

Em setembro, os gastos com habitação deram a maior contribuição para a inflação percebida pelos três segmentos de renda familiar mais baixa, enquanto que o custo do transporte teve maior impacto sobre a inflação para as três faixas de renda mais alta, apontou o Ipea.

"No caso das famílias de renda mais baixa, os reajustes de 6,5% das tarifas de energia elétrica, de 3,9% do gás de botijão e de 1,1% dos artigos de limpeza foram os principais responsáveis pela alta do grupo habitação, cujo impacto de 0,65 ponto porcentual responde por metade da inflação apontada, em setembro, nesse segmento. Ainda que em menor intensidade, o aumento dos alimentos no domicílio, especialmente de frutas (5,4%), aves e ovos (4,0%) e leites e derivados (1,6%), ajuda a completar esse quadro de alta inflacionária nas faixas de renda mais baixa", apontou a técnica Maria Andreia Parente Lameiras, na Carta de Conjuntura do Ipea divulgada nesta sexta-feira, 15.

Entre os mais ricos, o principal foco inflacionário foi decorrente, sobretudo, dos reajustes de 2,3% da gasolina, de 28,2% das passagens aéreas e de 9,2% dos transportes por aplicativo.

A inflação acumulada em 12 meses até setembro foi de 10,98% para as famílias mais pobres, mais de 20% superior à taxa de 8,91% observada no segmento mais rico da população.

"No caso das famílias de baixa renda, além dos aumentos nos preços dos alimentos no domicílio - carnes (24,9%), aves e ovos (26,3%) e leite e derivados (9,0%) -, os reajustes de 28,8% da energia e de 34,7% do gás de botijão explicam grande parte da alta inflacionária em doze meses. Já para as famílias de renda mais elevada, a inflação acumulada no período reflete, sobretudo, as variações de 42,0% dos combustíveis, de 56,8% das passagens aéreas, de 14,1% dos transportes por aplicativo e de 12,1% dos aparelhos eletroeletrônicos", observou Maria Andreia no estudo.

O indicador do Ipea separa por seis faixas de renda familiar as variações de preços medidas pelo IPCA. Os grupos vão desde uma renda familiar de até R$ 1.808,79 por mês, no caso da faixa com renda muito baixa, até uma renda mensal familiar acima de R$ 17.764,49, no caso da renda mais alta. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.