Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Alta de preço do cigarro eleva venda de produtos ilegais

O aumento nos preços dos cigarros eleva a fatia dos produtos ilegais consumidos sobre o total comercializado pelo mercado. Essa constatação é de um estudo apresentado nesta terça-feira pelo coordenador de Projetos da Fundação Getúlio Vargas (FGV), José Antônio Schontag, com base no histórico dos reajustes aplicados nos últimos anos. A partir de maio, um novo reajuste na alíquota do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) do cigarro está previsto para ocorrer. Isso deverá "criar espaço" para expansão do mercado ilegal, prevê Schontag.

RODRIGO PETRY, Agencia Estado

24 de abril de 2012 | 18h45

"O consumidor fuma menos ou adquire mais produtos no mercado ilegal", disse Schontag, durante apresentação nesta terça-feira de campanha pela implementação de lei que prevê, a partir de maio, um preço mínimo de R$ 3,00 para os maços de cigarros. Ele ressaltou ainda que a alta nos preços vai ampliar o comprometimento dos consumidores, que recebem um salário mínimo, nos gastos com cigarros. "Qualquer mercado de consumo popular reage ao aumento dos preços", afirmou. A Souza Cruz, empresa líder do setor, já anunciou alta de 24% no preço dos cigarros.

Tudo o que sabemos sobre:
cigarroestudoFGV

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.