Alta de preços é geral na Argentina

O aumento de preços no comércio argentino é generalizado e não se restringe apenas aos importados, como na semana passada, quando os valores dos eletrodomésticos, por exemplo, subiram até 30%. O varejo já denuncia reajuste do leite, da carne, da farinha, do açúcar, do pão, das frutas, doóleo de cozinha e até do vinho argentino. A alta generalizada varia entre 20% e 40%, dizem os varejistas, que culpam os atacadistas pelo reajuste.Hoje, entre os importados, os principais reajustes foram registrados no café, nas fraldas, nos artigos de higiene e perfumaria, além dos eletrodomésticos. Grandes cadeias de supermercados também denunciamdesabastacimento de farinha, açúcar e óleo comestível.As entidades de consumidores, com respaldo dos políticos, reforçaram os pedidos para que a população não compre produtos reajustados e restrinja suas compras ao mínimo necessário.O governo quer passar para a sociedade a responsabilidade por fiscalizar os abusos e forçar uma queda nos preços.O presidente Eduardo Duhalde se reuniu com as principais entidades de defesa do consumidor e, por quase três horas, ouviu reclamações. O governo teme que a explosão de preços coloque em riscoo novo modelo econômico, que estabeleceu o fim da paridade entre o peso e o dólar.O ministro da Economia, Jorge Remes Lenicov, que também participou do encontro, pediu aos consumidores que combatam o aumento de preços porquedeles depende o êxito do plano. Duhalde, segundo as instituições, foi o primeiro presidente que as atendeu. Durante a reunião, foi criada o Conselho Federal de Acompanhamento, Controle, Formação de Preços e Abastecimento, composto por integrantes dogoverno, do Congresso, de associações de consumidores e de fornecedores de bens e serviços. O governo se comprometeu a receber as entidades a cada oito dias.Os núcleos de consumidores pediram a Duhalde que a eliminação do IVA (Imposto sobre Valor Agregado) que incide sobre os produtos da cesta básica e de serviços essenciais. É plano do governo, em conjunto com as associações, desenhar uma estratégia de conscientização popular.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.