Alta de preços favorece discussão na OMC, diz Mandelson

O Comissário Europeu do Comércio, Peter Mandelson, afirmou hoje que a disparada dos preços dos alimentos e matérias-primas (commodities), preocupações com a economia internacional e a turbulência financeira têm pelo menos um aspecto positivo, pois podem estimular um movimento para que seja alcançado um pacto global de comércio este ano, no âmbito da Organização Mundial de Comércio (OMC). "A pressão criada pelo atual problema de oferta e demanda de alimentos está encorajando um acordo mundial de comércio, e não o contrário", declarou ele."Acho que as pessoas percebem que precisamos manter os fluxos de comércio abertos ao redor do mundo, que tarifas, subsídios, restrições às exportações e embargos apenas intensificariam a escassez de alimentos", disse ele. "Como parte da resposta internacional aos problemas relacionados aos alimentos, precisamos manter os mercados abertos. Todos precisamos concordar com isso em vez de vermos ações nacionais, unilaterais ou bilaterais predominando."Medidas recentes tomadas por importantes países produtores de alimentos para restringir as exportações geraram preocupações de que os preços das commodities agrícolas possam subir ainda mais. De acordo com o Banco Mundial, o aumentos dos custos das commodities elevaram os preços globais dos alimentos em 83% nos últimos três anos.Como resultado, pelo menos uma dúzia de países entre os 58 pesquisados pela instituição multilateral reduziu recentemente as tarifas sobre alimentos importadores e criaram barreiras às exportações na esperança de limitar os preços domésticos e caminhar em direção à auto-suficiência.Enquanto isso, há preocupações de que as discussões referentes à Rodada Doha, que está emperrada desde 2001, fracassem se não houver nenhum acordo em 2008. Segundo Mandelson, 2009 será "um ano ruim para negociações multilaterais em comércio e outras áreas", por causa de mudanças na Casa Branca e na Comissão Européia. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.