Alta de Serra impulsiona Bovespa, diz Salomon

Ao elevar sua recomendação de curto prazo para a Bovespa de "neutral" para "overweight", o estrategista-chefe de bolsas para América Latina do Salomon Smith Barney, Geoffrey Dennis, disse que com a divulgação de pesquisas eleitorais favoráveis a José Serra (PSDB) e a oferta de apoio internacional ao Brasil, a Bovespa poderá subir de 20% a 25% em dólares. Segundo Dennis, o mercado brasileiro está claramente "oversold" (sobrevendido). "Vemos uma significativa oportunidade para o curto prazo, pois a relação risco/retorno favorece um aumento na posição em ações brasileiras, que podem observar uma recuperação no curto prazo", afirmou Dennis. "Contudo, estamos cientes de que muitos investidores não terão estômago para tais oportunidades. Os riscos permanecem elevados no Brasil, particularmente após as eleições, se Lula vencer", acrescentou o estrategista do Salomon. Segundo ele, depois da Argentina e do período difícil que atravessam as bolsas de valores norte-americanas, "ninguém quer ter a próxima bomba no seu colo quando ela explodir". Para ele, muitos investidores de longo prazo vão preferir esperar para ver a situação tornar-se mais clara, antes de voltar a comprar. Segundo Dennis, qualquer desejo de aproveitar uma forte alta nas ações do Brasil no curto prazo deverá encorajar o investidor a aplicar em ações de telecomunicação, bancos e de setor de infraestrutura (energia, saneamento). "Contudo, faz sentido estar bastante investido em ações de setores cíclicos, como papel e celulose, as quais proporcionam uma postura defensiva em caso de o mercado se deteriorar mais ainda e também alguma exposição a uma recuperação global", disse. O estrategista do Salomon ainda mantém um cenário de vitória de José Serra nas eleições presidenciais. "Se estivermos corretos, então agora é a hora de comprar ações no Brasil", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.