Alta do dólar pode encarecer biscoitos

Empresas do setor de alimentos podem repassar a alta do dólar nos preços de seus produtos. A Bauducco, líder no setor de fornados, reajustará seus preços se a farinha aumentar acima de 1%, garante o diretor de marketing da empresa. Ele alega que a pressão vem dos fornecedores da matéria-prima trigo, que ameaçam reajustar os preços em 15%, devido à alta do dólar. "Não negociamos nesses patamares", garante Holzheim.Alguns fabricantes, como a J. Macedo Alimentos, proprietária da marca Dona Benta, já aumentaram seus preços. No início deste mês, as massas ficaram 12% mais caras e os biscoitos cerca de 9%. A Adria Alimentos do Brasil está em compasso de espera e acredita que, se o câmbio continuar nos atuais patamares, não há como fugir do aumento. O diretor da Bauducco alega estar vivendo um impasse porque a empresa não têm condições de arcar com os custos e repassar para os preços não é a política mais adequada neste momento, principalmente na área de biscoitos, o setor mais competitivo dentro do segmento. InflaçãoOutro fator preocupante é que a área de alimentos liderou a alta do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) da USP na 3ª quadrissemana de março, passando de 0,89% na semana anterior para 1,29% na seguinte, segundo a Fipe divulgou hoje pela manhã (veja mais informações no link abaixo).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.