carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Alta do IGP-M retrai mercados

A divulgação do Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) referente à segunda quadrissemana de novembro, que subiu 3,86% surpreendeu, estragando o bom humor do mercado. A taxa ficou significativamente acima das previsões e deixou no ar a dúvida sobre uma eventual nova alta dos juros. O que mais chamou a atenção foi o fato de que, desta vez, foram os preços ao consumidor que mais pressionaram o índice, e muitos desses não têm qualquer relação com a variação do câmbio. A reação foi pessimista em todos os mercados.Para analistas, o resultado do IGP-M não altera muita coisa no âmbito econômico, já que o Copom, nos últimos dois meses, elevou a taxa de juro em quatro pontos percentuais, o que demora alguns meses para ter efeito sobre a inflação. Mas não são todos os profissionais que pensam dessa maneira, prova disso é que os contratos de juro futuro apresentam alta.O fato de o dólar ter operado novamente em terreno positivo só aumentou o fôlego para a alta das taxas. Só que os investidores alegam justamente como razão para a alta do câmbio hoje o resultado do IGP-M, que é um sinal de deterioração do cenário. A alta do IGP-M pode ser um sinal de que a inflação é mais difícil de ser controlada do que se imaginava e isso de fato alterou a tentativa do mercado de embalar em um movimento mais otimista. MercadosÀs 15h, o dólar comercial era vendido a R$ 3,5650; em alta de 1,13% em relação às últimas operações de ontem, oscilando entre R$ 3,5430 e R$ 3,5850. Com esse resultado, o dólar acumula uma alta de 53,93% no ano e queda de 8,82% nos últimos 30 dias. Veja aqui a cotação do dólar dos últimos negócios.No mercado de juros, os contratos de DI futuro com vencimento em janeiro de 2003 negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros pagavam taxas de 22,780% ao ano, frente a 22,750% ao ano ontem. Já os títulos com vencimento em julho de 2003 têm taxas de 27,750% ao ano, frente a 27,420% ao ano negociados ontem.A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) operava em queda de 0,49% em 10239 pontos e volume de negócios de R$ 204 milhões. Com esse resultado, a Bolsa acumula uma baixa de 24,58% em 2002 e alta de 9,77% nos últimos 30 dias. Das 50 ações que compõem o Ibovespa - índice que mede a valorização das ações mais negociadas na Bolsa -, 10 apresentam alta. O principal destaque são os papéis da Embratel ON (ordinárias, com direito a voto), que subia 11,80%. Mercados internacionais Em Nova York, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - operava em queda de 0,31% (a 8818,1 pontos), e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - cai 0,58% (a 1459,04 pontos). O euro era negociado a US$ 0,9970; uma queda de 0,53%. Na Argentina, o índice Merval, da Bolsa de Valores de Buenos Aires, estava em alta de 1,13% (492,57 pontos). Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

Agencia Estado,

22 de novembro de 2002 | 15h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.