Alta do IPC segue previsão de analistas

A alta do Índice de Preços ao Consumidor (IPC), medido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) da USP, para a terceira quadrissemana de janeiro ficou dentro da média esperada pelos analistas, que projetaram alta entre 0,60% e 0,70%. Na terceira prévia do mês o IPC foi de 0,68%, superior aos 0,58% da pesquisa anterior. A maior variação do período foi, mais uma vez, Educação, impulsionada pelos custos do início do ano letivo, cuja alta superou os 3,16% da segunda quadrissemana e chegou a 4,09%. Já Despesas Pessoais, o segundo item que mais subiu (+1,07%), registrou variação menor em relação à segunda quadrissemana, quando a alta apurada foi de 1,25%. Como previram os analistas, o item Alimentação apresentou alta (de 0,61% para 0,96%), em razão da seca do Sul e das intensas chuvas no restante do País, que vem prejudicando a produção de alimentos. Transportes foi o único grupo a registrar queda (-0,04%). Além desse grupo, apenas Vestuários apresentou alta menor em relação à segunda quadrissemana. Veja a variação dos itens que compõem o IPC: Habitação: +0,38%; Alimentação: +0,96%; Transportes: -0,04%; Despesas Pessoais: +1,07%; Saúde: +0,23%; Vestuário: +0,74%; Educação: +4,09%; Índice Geral: +0,68%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.