Alta do IPCA surpreende mercado

A divulgação dos índices de inflação surpreendeu analistas. O economista-chefe do JP Morgan, Marcelo Carvalho, avaliou que o Índice de Preços ao Consumidor Ampliado (IPCA), 1,61% em julho, ficou bem acima do esperado. "É o maior índice desde meados de 1995 e não pode ser ignorado", avalia Carvalho.Apesar do aumento de preços dos alimentos e combustíveis serem transitórios, o economista acha que o Comitê de Política Monetária (Copom) deve adotar uma postura mais conservadora na reunião dos próximos dias 22 e 23. " O governo deveria manter a taxa básica de juros - Selic - em 16,5% ao ano com viés neutro e confirmar nos próximos meses que de fato a alta da inflação será passageira", conclui.Mercado pode rever índice para o anoO economista chefe do Lloyds TSB, Odair Abate, segue a mesma linha de análise e diz que o banco já está revendo, mas não de maneira agressiva, a previsão para a inflação total do ano. " A alta de tarifas e alimentos era esperada, mas os aumentos todos ficaram bem acima da média prevista pelo mercado", analisa Abate.Ele chama a atenção para outros fatores de preocupação que deveriam ser considerados pelo Copom. "Os preços do petróleo ainda estão muito altos e as contas fiscais da Argentina tiveram um resultado ruim, o único alento externo vem dos Estados Unidos", explica. Os últimos números da economia norte-americana confirmam uma desaceleração suave da atividade econômica no país. Pressão deve continuarDiante deste quadro, Odair Abate também acredita que a Selic deve permanecer no patamar atual na próxima reunião do Copom. " O Comitê tem ainda mais quatro reuniões e mesmo sendo conservador agora, a Selic pode chegar ao fim do ano em 15,5% ao ano", diz o economista.Os combustíveis e as passagens aéreas deverão continuar pressionando o IPCA de agosto. A gerente do Sistema de Índices de Preços do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Eulina Nunes dos Santos, explicou que, como o reajuste dos combustíveis e das passagens aéreas foi dado na metade do mês de julho, ele ainda não foi inteiramente absorvido pelo IPCA do mês passado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.