Alta do petróleo custará US$ 6 bilhões a companhias aéreas

A alta do barril de petróleo no mercado internacional deverá custar US$ 6 bilhões para todas as companhias aéreas do mundo. A estimativa foi feita pelo vice-presidente comercial internacional da Air France, Patrick Alexandre, com base nos dados da Associação Internacional de Aviação Comercial (IATA na sigla em inglês). O executivo concedeu, nesta terça-feira, uma entrevista coletiva para anunciar que a companhia vai usar o Boeing 747 400 - o Jumbo - na rota Rio-Paris. Trata-se da maior aeronave comercial em utilização no mundo com capacidade para até 400 passageiros. Alexandre também inaugurou a nova sala VIP da Air France no aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim, que demandou um investimento de 460 mil euros. O vice-presidente da companhia também confirmou o fim do acordo de compartilhamento de assentos com a TAM. Segundo o diretor-geral da empresa para o Brasil, Francis Richard, a parceria teve fim no dia 15 de outubro. "Depois de cinco anos de noivado, a decisão da TAM foi não entrar na Sky Team no momento. Com isso, a vantagem do code-share (compartilhamento de assentos) diminuiu", disse. Segundo ele a TAM não deverá participar de nenhuma outra aliança de companhias aéreas no mundo, pelo menos por enquanto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.