Alta do petróleo estimula receios e derruba mercados da Ásia

As principais bolsas asiáticasfecharam em queda nesta quarta-feira pelo segundo dia seguido,o que elevou a uma procura por títulos governamentais à medidaem que investidores temem que a demanda do consumidor possacair frente à alta dos preços do petróleo. Às 8h15 (horário de Brasília), o índice MSCI que reúne osprincipais mercados da região Ásia-Pacífico exceto Japão tinhaqueda de 0,28 por cento, aos 495 pontos. O índice Nikkei dabolsa de TÓQUIO fechou com desvalorização de 1,65 por cento, em13.926 pontos. As empresas japonesas tiveram o pior desempenho nocontinente, com o indicador TOPIX registrando a maior queda numúnico dia desde 9 de maio, depois que o barril do petróleonegociado nos Estados Unidos passou a marca dos 129 dólares naterça-feira, impulsionado pelos temores sobre a queda nosestoques globais. A alta no preço da commodity ganhou mais ímpeto por umaprevisão feita pelo bilionário T. Boone Pickens de que ospreços podem chegar a 150 dólares o barril nos próximos seismeses. A Canon, empresa fabricante de impressoras e copiadoras,perdeu 1,6 por cento depois que Wall Street recuou ante lucrosdecepcionantes das varejistas norte-americanas, fomentandotemores acerca de diminuição da demanda. A China não acompanhou a tendência de queda, conseguindo serecuperar ao final da sessão. O índice Hang Seng, da bolsa deHONG KONG, avançou 1,16 por cento, para 25.460 pontos. XANGAIsubiu 2,93 por cento. A bolsa de SEUL cedeu 1,4 por cento com o tom negativo seespalhando na região, especialmente depois que dados deinflação nos EUA mostrou o maior aumento desde dezembro de1991. O evidente medo no mercado acionário fez os investidoresprocurarem aplicações em títulos do governo. "A tendência nos títulos depende do preço das ações, e asações foram vendidas por temores de que a alta no preço dopetróleo irá afetar o bolso dos consumidores e reduzir oslucros das empresas", afirmou Yasutoshi Nagai, economista-chefeda Daiwa Securities SMBC. A bolsa de TAIWAN caiu 0,59 por cento, CINGAPURA recuou0,09 por cento e SYDNEY teve queda de 1,43 por cento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.