Alta dos imóveis na China pode exigir mais controle

Evidência recente do rápido aumento dos preços de imóveis salienta o papel do setor imobiliário em dar suporte ao frágil crescimento da China, mas também levanta temores de que uma correção mais acentuada seja necessária para trazer os preços em linha com a renda das famílias. Os preços de imóveis cresceram 6,7%, em base anualizada, de 6,1% em junho, segundo cálculos do jornal The Wall Street Jornal, tendo como referência indicadores oficiais daquele país.

LUCIANA ANTONELLO XAVIER, Agencia Estado

18 de agosto de 2013 | 12h13

Em nota, o analista do Escritório Nacional de Estatísticas da China Liu Jianwei disse que o aumento contínuo dos preços de imóveis se deve a uma demanda genuína de compradores bem como os recentes ganhos nos preços de terra.

Um aumento acentuado nos empréstimos na primeira metade de 2013, combinada com o relaxamento silencioso dos controles rigorosos para compra de imóveis em algumas cidades, também tiveram participação em melhorar as vendas e colocar os preços mais para cima.

De 2010 ao começo de 2013, o governo da China apertou os controles do setor imobiliário, tendo frear os preços dos imóveis. Mas com o crescimento frágil e com esse mercado sendo um colaborador chave para impulsionar a demanda de tudo, de aço a móveis, em 2013 as autoridades resolveram ter uma atitude mais afrouxada.

Analistas avaliam que o governo não deve adotar políticas de mudança em relação ao setor na seção plenária anual do Partido Comunista em outubro. Mas observam que, com o rápido crescimento dos preços de imóveis e risco de uma correção mais acentuada, é possível que o governo adote até o fim deste ano controles mais rígidos. Se as exportações para os Estados Unidos e Europa tiverem recuperação, colocando a economia chinesa num caminho mais estável, as autoridades chinesas não deverão ter reservas em adotar medidas nesse sentido, acreditam. Fonte: Dow Jones Newswires.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.