Alta dos juros deve impactar dívida líquida em R$ 4,8 bi

Impacto ocorre diretamente na parcela de endividamento atrelada à taxa básica de juros do País

Fabio Graner, da Agência Estado,

23 de julho de 2008 | 20h58

A alta de 0,75 ponto porcentual na taxa básica de juros deve impactar a dívida líquida do setor público em cerca de R$ 4,8 bilhões, se permanecer por 12 meses. O impacto ocorre diretamente na parcela da dívida que é atrelada à Taxa Selic. Dados do Banco Central mostram que, em maio, essa parcela era de R$ 645,4 bilhões. Veja também:Economistas já prevêem novo corte de 0,75 em setembroAcrefi se diz 'surpresa' com decisão do Copom sobre SelicForça Sindical critica 'aumento cavalar' da taxa de jurosIndústria critica alta da Selic e fala em 'vírus da inflação'Copom surpreende e eleva a taxa de juros em 0,75 pontoJuro maior é ineficiente sem corte de gastos, diz Fecomércio Nos cálculos do BC, a cada 1 ponto porcentual de alta na taxa básica, a dívida líquida total sobe o equivalente a 0,26 ponto porcentual em relação ao Produto Interno Bruto (PIB). Dessa forma, a alta de 0,75 deve elevar em 0,19 ponto porcentual do PIB a dívida líquida que, em maio, estava em 40,8% do PIB. Considerando que o BC já havia promovido anteriormente duas elevações de 0,5 ponto cada na taxa básica, o impacto da política monetária na dívida líquida do setor público, se permanecer durante 12 meses, já supera os R$ 10 bilhões. O mercado esperava mais três altas de 0,5 ponto neste ano, o que deve ser revisto agora. Dessa forma, o ciclo de aperto na política monetária tende a ter um impacto sobre a dívida líquida superior a R$ 20 bilhões, sempre considerando que a taxa permanece mais alta por um período de 12 meses.  Levando-se em conta apenas a dívida interna em títulos do governo federal, o efeito da política monetária é um pouco menor. Considerando os R$ 439,06 bilhões de papéis atrelados à Selic existentes em maio, cada 0,75 ponto de elevação nos juros básico, ao longo de 12 meses, tem um impacto da ordem de R$ 3,3 bilhões no estoque da dívida. Ou seja, o aperto de 1,75 ponto porcentual já promovido pelo BC neste ano deve aumentar em cerca de R$ 7,5 bilhões a dívida interna. É importante destacar que a existência de títulos vinculados à taxa básica de juros é uma anomalia da economia brasileira, herança dos anos de instabilidade econômica. Se esse grupo de papéis, que representava em maio 35,4% da dívida interna, não existisse, a política monetária teria maior potência.  Isso porque, a subida nos juros provocaria uma perda de renda para os detentores de títulos públicos prefixados (com juros fixo e definidos no leilão de venda dos papéis) e tenderia a diminuir o consumo dos mais ricos. Hoje, ao contrário, o aperto monetário provoca um "efeito riqueza", ou seja, grande parte dos investidores ganha quando a Selic começa a subir.  Mas esse problema já foi bem maior, pois em passado não tão distante (2003) os títulos atrelados à Selic representavam mais de 60% da dívida interna.

Tudo o que sabemos sobre:
CopomJurosDívida Pública

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.